Silvana Benko...

Sou formada em Arquitetura e Urbanismo, trabalhei em escritórios de arquitetura, construtoras e obras por bastante tempo, em 2013 iniciei uma pós graduação em Gestão de Projetos de Arquitetura, com a intenção de crescer na empresa ao qual eu trabalhava na época, tentando acompanhar o mundo competitivo em que estava inserida. Até que um dia decidi me dedicar também a um outro projeto: o de ser mãe!
 
Engravidei, mergulhei no mundo maternidade e minha vida começou a ter mais sentido...


Em 2014 nasceu a Bárbara! Na gravidez, montei um quarto tradicional, desses de princesa, que na época eu amava, mas logo após a chegada da Bárbara percebi que mal usaria aquele espaço. Ela dormia com a gente, pois acredito muito nos benefícios da cama compartilhada quando recém nascido, e no resto do tempo ela sempre estava onde estávamos. Olhava o quarto dela e percebia que aquele espaço não fazia sentido, a começar do berço, alto, com grades... Como eu poderia deixar ela ali? E se ela quisesse sair, teria que chorar para me chamar, porque sozinha ela não conseguiria. Será que era isso mesmo que eu queria para ela? Não! Aquele quarto que planejei na gravidez não tinha nada a ver com a nossa rotina, com os meus valores, com aquilo que eu desejava para minha filha.
 
Além do berço, o quarto tinha uma cômoda, um guarda roupas e uma poltrona de amamentação. Para quem tudo isso? Para mim!
Parecia tudo errado... Como eu, arquiteta, não tinha pensado nisso antes? Simples! Eu não era mãe quando projetei o quarto dela, então pensei em mim, e não nela, e isso acontece com muita frequência.
 
Certo dia, resolvi mudar tudo! Fiz umas adaptações, desmontei o berço - nunca utilizado - e coloquei o colchão no chão. Os brinquedos foram para caixas baixas, num pequeno espaço de brincar na sala, que improvisei com tapetes de EVA. Depois disso, parece que tudo começou a fluir melhor, e ela se mostrava muito mais a vontade, muito mais independente.
 
Nas horas livres, eu só estudava assuntos da maternidade, eu queria ser a melhor mãe dentro das minhas condições. Em meio de tantas descobertas sobre amamentação, educação, saúde, alimentação, desenvolvimento, descobri também que um assunto em específico era bem pertinente no meu dia a dia, algo que eu já estava colocando em prática, sem ter consciência, algo que eu buscava para minha filha, mas não sabia explicar: a filosofia montessori.
 
E assim nasceu o Ateliê! E assim cheguei até aqui, unindo minhas paixões:


trabalho + arquitetura + maternidade